sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

É uma coisa boa




Mas o amor é uma coisa boa, eu sei que é, e talvez por isso eu não consiga simplesmente evitá-lo, e mais do que isso, não tenha motivos para fazer isso.


E o amor, ah, ele não precisa te fazer perder a cabeça, não precisa ser avassalador, ele só precisa te fazer bem, e existem vários jeitos dele te fazer isso.

Um beijo, um abraço, andar de mãos dadas, um elogio aqui, um carinho acolá... Por quê não se apaixonar por tudo isso? Ou melhor, como fazer com que isso não aconteça?

A verdade é que não importa quantas vezes você olhar dentro do seu coração, sempre encontrará amor dentro dele. Por mais que não queira, ou que ache que não possa mais.

Tá certo que o amor existe de vários modos, e sabe o mais impressionante? Ele nunca, nunca será igual a algum outro. É simplesmente impossível amar duas pessoas de uma mesma maneira, e talvez por isso, mais impossível ainda comparar o tamanho de dois diferentes amores.

Uma mãe jamais amará dois filhos da mesma maneira, assim como uma mulher jamais terá dois amores iguais, o que não significa necessariamente que um será menor do que o outro. Dá pra ser mais confuso?

Ahh, quer saber? O amor dá muito trabalho, e seria muito mais fácil se a gente pudesse simplesmente tirar umas férias dele por algum tempo. Mas isso querida, nem querendo!

E eu fico por aqui desistindo de entender o amor, mas não desistindo dele nunca, e muito menos agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diz o que achou :)