quinta-feira, 17 de novembro de 2011

De volta ao controle



Depois de muito tempo pensando tê-lo perdido, comecei a repará-lo em alguns poucos momentos, flashes perdidos, tão curtos que quase nem parecem existir. Mas existem, e dão um prazer imenso.

Faz tempo que pensei não possuí-lo mais. Chorei noites de insônia e enlouqueci dias a fio sentindo saudade do tempo em que o tinha. Sabia o quanto ele era importante. Mais que importante. Necessário.

Ouvia frequentemente as pessoas me aconselhando a recuperá-lo. Só me desesperavam mais. Minha ansiedade pra tê-lo de volta só o deixava mais distante, era óbvio. Quanto maior a ansiedade por ele, mais o sentia escorregando entre os dedos.

Mas de um dias pra cá, sinto que cheguei perto de segurá-lo um pouco mais. Minhas mãos ainda estão longe de se fechar seguramente em torno dele, mas sei que estão mais próximas do que antes, em movimento lento em direção ao que tanto me é necessário.

Aprendi a ser paciente. Sim, aprendi que minha afobação jamais ajudaria a trazê-lo de volta. E quer saber? Eu estava certa. Apenas nos momentos em que minha respiração não é ofegante e cansada, eu consigo senti-lo de volta, voltando ao lugar onde nunca deveria ter saído: dentro de mim.

Obrigada por voltar, auto-controle!

3 comentários:

  1. ''Apenas nos momentos em que minha respiração não é ofegante e cansada, eu consigo senti-lo de volta, voltando ao lugar onde nunca deveria ter saído: dentro de mim.''

    Exatamente assim, muito bem colocado. Linda s2

    ResponderExcluir
  2. Agora preciso ler esse texto dias a fio pra ver se consigo recuperar o meu, que seu perdeu algum dia, há muito tempo...e naõ voltou até hoje! =/

    E como sempre, sensacional seu texto! =)

    ResponderExcluir
  3. Adorei Bá!
    Tudo no controle!!
    haUHAuhau ;]
    parabéns CU, tinha esquecido que seus textos eram tão bons [...]
    voltarei a ser leitor acíduo

    ResponderExcluir

Diz o que achou :)