quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Ela(s)



Uma chegava todo dia atrasada. Uns dias cinco minutos, outro dez, e alguns raros vinte. Ninguém ligava. Chegava, ligava o computador e começava sua rotina. Ria com os demais colegas. Cantavam músicas antigas, discutiam sobre acontecimentos, pregavam peças um no outro. Sempre terminava o trabalho mais cedo. Entrava e saía da empresa com o mesmo sorriso, com o mesmo humor sempre amável, doce. Era mesmo uma menina de ouro.

A outra chegava em casa sempre de mau humor. Queria dormir, queria sumir, queria não estar lá, não estar aqui. Algumas vezes brigava com a mãe, quase sempre brigava com a avó. Não cumpria seus compromissos, não dava mais a atenção necessária pros problemas de casa, choramingava demais. A culpa? Do trabalho, da sonolência, da faculdade, da vida... sempre de alguém. Nunca dela.

Também tinha aquela que chegava na aula sempre no mesmo horário, sentava sempre nos mesmos lugares, sempre comia a mesma coisa durante o intervalo. Pegava o mesmo ônibus pra ir e pra voltar. Era quase sempre hostil, quase sempre doce, quase sempre ela mesma. Quase.

Por fim, a desconhecida. A que ela mesma não conhecia. A que se moldava, pra ser ela, pra ser feliz, pra ser melhor, pra ser. Era essa que ia enlouquecer, e logo.

Não, não, acho que não era essa.

Eram a uma, a outra e aquela também.

Eram todas, porque todas eram a mesma.

5 comentários:

  1. Ao meu ver, tanto a uma, quanto a outra, aquela e também a desconhecida são a mesma menina de ouro.
    Meus olhos (e, principalmente, meu coração) vê a mesma sensibilidade em todas elas. Seja a poucos metros distante de mim ou com algumas carteiras nos separando!

    E se for pra enlouquecer, mande elas enlouquecerem de amor, de alegria. Porque algo me diz que isso é especialidade de todas!

    ResponderExcluir
  2. Você nem come sempre as mesmas coisas no intervalo... um dia é bolo de chocolate, outro dia de cenoura, as vezes um salgado, nos dias de mais fome um fazendão e nos dias de TPM um bolo trufado de R$4,00.

    Essa quase hostil, quase doce é a mina que me faz companhia todos os dias úteis da semana e eu amo demais!

    Ótimo texto baby, espero um dia conhecer essas 4 mulheres integrada em uma só.

    ResponderExcluir
  3. Prazer para as quais eu não conheço! ;D
    HAuahUHA, belo texto Bá's
    Continue(m) assim, sempre vivendo intensamente! Não tem graça ser feliz e perfeito todos os dias. Se não caímos, não temos como subir! E você sobe lá longe sempre!

    ResponderExcluir
  4. Essa história de ser 'várias dentro de uma mesma' todo mundo tem... Mas pouca gente expressa tão bem! Texto muuuito bacana, Corinthiana! (;

    ResponderExcluir
  5. Mas sempre há uma ponta de "uma" na personalidade da "outra", e a própria "aquela" é toda cheia do jeito "dessa" :)
    Adorei, Bárbara... E você é "a coisinha mais amável do mundo" em cada face que assume :D

    ResponderExcluir

Diz o que achou :)