terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Sempre em frente

menina lendo campo
http://migre.me/cdlS5

 “Ás vezes você tem que esquecer o que você quer,
 pra começar a entender o que você merece.”
(Desconhecido)

Sabe o que é extremamente importante aprender ao longo do tempo? Que o mundo  de ninguém gira em torno de você.

Pode fazer mal pro seu ego, mas acredite: nem toda indireta nas redes sociais é pra você, nem toda cara feia é culpa sua, nem tudo que dá errado tem um dedo seu, e nem todos os problemas dos outros tem alguma relação com você.

A vida seria imensamente mais bem-vivida se as pessoas se preocupassem apenas em vivê-la. Olhar para o próprio umbigo é uma das lições mais difíceis desse mundo aqui embaixo, e eu acho que só vamos ter uma vida realmente boa quando essa missão for cumprida.

Podem me condenar por dizer que “quem não soma, some”, mas chega uma hora na vida que não dá mais pra perder tempo com picuinha, sabe? Eu tenho 24 horas por dia e esse tempo é pouco demais pra aproveitar tudo de bom que eu posso aproveitar. Se eu perdê-lo com gente que só subtrai, então... O que vai restar para ser somado?

Sempre fui dessas que fica remoendo situações e tentando consertá-las até o final. Mas simplesmente não adianta. Se é pra perder um minuto que seja do meu dia, que seja pensando em coisas que vão me trazer bons fluídos.

Fez mal, causou dor, não somou? Tchau. Sofrimento é coisa fácil de esquecer perante às trezentas e vinte cinco coisas que eu tenho pra fazer todos os dias. O tempo que me resta eu tô afim de gastar tentando ser feliz.

Então eu simplesmente não leio o que eu não gosto de ler, não vou atrás de quem eu não quero perto, não procuro saber do que não me faz bem. Não ouço músicas que eu não gosto, não vejo fotos que me deixam tristes, não assisto filmes que não me chamam a atenção.

E isso não querer estar acima de todo o sofrimento do mundo, não. Não é questão de se achar superior ao resto do mundo. É simplesmente... Necessário.

Quando a gente se prende às coisas do passado – principalmente as ruins –, a vida não anda pra frente. Se a gente permanece enroscado às nossas fraquezas, nunca descobre que consegue ser forte. Se continua perto do que nos faz mal, nunca encontra o que pode nos fazer bem.

Aquele lance de “a vida é um imã” faz todo o sentido agora: a gente acha o que a gente procura, a gente colhe o que a gente planta.

Eu tô afim de uma vida mais rodeada de boa gente, boas energias e um bom amor. E acreditando no que diz Caio Fernando de Abreu, eu repito: “Cuide, cultive, queira bem. O resto vem!”.

2 comentários:

  1. Isso foi uma indireta? hahaha
    Brincadeiras a parte,assino embaixo tudo que disse.
    Parabens pelo texto.

    ResponderExcluir
  2. Hahahahahaha, você, mais do que ninguém, é A complexada com indiretas que não são pra você. Mas fico feliz por ter percebido, enfim, que é bem melhor ganhar tempo com o que é bom do que perder com aquilo que nos diminui. Alééém de tudo, valeu, vou seguir o exemplo também! =)

    ResponderExcluir

Diz o que achou :)