sexta-feira, 10 de maio de 2013

Esse tal "primeiro amor"

http://migre.me/eu37u

“And even if my house falls down now, 
I wouldn't have a clue
Because you're near me”
(Dido – Thank You)

E então ela é o seu primeiro amor.

E o que se faz quando se ama pela primeira vez? Será que mando flores? Será que ligo pra dar boa noite? Devo rir das suas piadas? Posso ser eu mesmo?

Pode, meu amor. Deve. Não precisa se sentir obrigado a nada, tudo bem? Faça o que tiver vontade, o que achar que vale a pena, o que deixar em paz seu coração. Talvez ela odeie flores, e as piadas dela podem ser um fiasco, mas aquela cobertura de bolo que ela adora, só você sabe fazer.

Quando a gente ama a gente às vezes mete os pés pelas mãos, não se culpe. A primeira briga sempre parece que vai ser última, mas depois de um tempo você percebe que – feliz ou infelizmente – ainda existirão várias. Não, ela não vai te deixar por tão pouco.

O ciúmes é quase natural, eu sei. Talvez você não conheça seus amigos, e tampouco ela as suas. O nosso primeiro amor também serve pra ensinar que ninguém é dono de ninguém. Não importa quanto tempo você esperou pra ela ser sua, antes de tudo, ela é de si própria. E de presente, na bagagem, vem um passado que você nunca vai conseguir apagar. Você gostaria de apagar o seu?

Sei que antes dela você nunca havia se preocupado com alguém. Era só você, não é? Sua rotina, suas baladas, seu dinheiro, seus problemas. E a surpresa é que agora, você deve perder o sono com preocupações que não sejam as suas. Ou talvez sejam, mas em relação a um outro alguém. Amar é conjugar os verbos no plural, amigo.

Ah, os defeitos dela! Parecerão insuportáveis em alguns momentos! Vocês discutirão e quase pensarão em desistir, já que as diferenças são gritantes. Paciência. Ainda vai demorar bastante pra que você conheça e se adapte a outro alguém – sem deixar de ser você. O processo é lento, mas vale a pena. Se sua cabeça quente botar tudo a perder agora, não sobrará mais nada.

E no fim, nada disso importa. Amar pela primeira vez é uma dessas descobertas deliciosas, que só quem vive (e quem não vive?) pode entender. Dá medo, e principalmente porque a gente acha que vai ser pra sempre. Talvez seja, talvez não. Mas o primeiro amor, nem querendo a gente esquece.

Nosso primeiro amor também é um pedacinho da gente.

6 comentários:

  1. Ameeii!!

    O tempo pode passar, o mais rápido q ele quiser, e pode ser que fiquemos sem nos ver por um ano inteiro, ou mais, pode até ser que aconteça.
    Mas o que sinto, todo carinho e apreço, de tanto tempo, a nossa amizade de infância e tudo que vivemos...
    Isso será eterno!
    E ainda viveremos mto mais, pode apostar!
    Te amo mucho my friend!
    Sdds mile!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que toda a "sintonia, telepatia, comunicação pelo córtex", continue pra sempre! =')

      Excluir
  2. Mais um da série de "textos da Bá que falam o que eu preciso ouvir"

    ResponderExcluir

Diz o que achou :)