segunda-feira, 19 de agosto de 2013

O que é o amor pra mim

"Me disseram também que o amor faz bem, e que vence o mal
E até hoje ninguém conseguiu definir o que é o amor"
(O que é o amor? – Maria Rita)

Vivi bastante tempo sem saber diferenciar meus amores. No máximo, distinguia a paixão em meio a alguns redemoinhos.

Às vezes me perguntavam quem foi que eu amei mais. Eu sorria e dizia que cada relacionamento era diferente do outro, mas a verdade é que quase não via diferença entre eles. Salvo uma ou outra exceção, todos começaram e terminaram de modos parecidos.

Então me agarrava a algumas respostas clichês. Me perguntava quem foi que mais fez meus olhos brilhar. Questionava quem, de fato, fazia meu coração bater desesperadamente. Ficava tentando lembrar por quem meu corpo se arrepiava dos pés à cabeça.

Bobagem. Fui me dar conta de que realmente amava alguém de verdade quando qualquer pergunta me fazia calar. “Você o ama?”, “quer passar sua vida com ele”, “o que foi que te conquistou?”. Silêncio. As respostas vinham até a ponta da língua e silenciavam, como se as cordas vocais não fossem dar conta de dizer tanto e de forma tão intensa.

Eu o amo porque ele segura minhas mãos para atravessar a rua. O amo porque ele me faz ter vontade de ser melhor, e principalmente, de ser eu mesma. O amo porque ele tolera meus defeitos de um jeito que nem eu consigo. 

O amo porque ele é calma perante a minha tempestade, e vendaval diante da minha passividade. O amo porque ele é simples e eu complexa, e porque eu não o entendo, mas ainda insisto. O amo porque ele é o oposto disposto a tentar.

O amo porque ele acha bobagem explicar sentimentos, e porque jamais ficaria chateado de eu não conseguir expressas em palavras as diversas razões que me levam a amá-lo. O amo porque eu achei que nunca fosse conseguir amá-lo; porque eu pensei que nunca fosse conseguir amar. Mas eu o amo.

Eu o amo quando ele me faz cócegas, quando me morde e belisca. O amo quando ele é um idiota e até quando fala dezenas de besteira por raiva. O amo porque ele me fez crer que para estar com alguém, a gente não pode esperar que ele seja perfeito. O amo porque ele me ensina deixá-lo ter defeitos. O amo porque ele não liga que eu seja imperfeita.

Obviamente também o amo porque ele faz meus olhos brilharem, meu coração bater forte e meu corpo arrepiar-se. Mas isso, de um jeito ou de outro, todo mundo já sentiu uma vez na vida. Eu o amo mesmo por tudo que ele me trouxe de inédito, sereno e perturbador.

O amo porque um belo dia eu percebi que ele estava impregnado em mim. Porque um dia me dei conta de que ele já era minha história – passado, presente e futuro. O amo porque ele se acomodou num pedaço eterno, desses que nem querendo a gente deixa pelo caminho. O amo porque ele é paixão, amizade e acalanto, tudo ao mesmo tempo agora.

E eu apenas sigo o amando. Por centenas de motivos que saltaram – e ainda saltam – aos meus olhos. Porque ainda que alguns longos meses já tenham se passado, e que nós não sejamos os mesmos que éramos nos primeiros dias, permanecemos apaixonados. O amo porque ele me fez passar por coisas terríveis, sem as quais eu não me tornaria a mulher que agradece por tudo de bom que existe hoje entre nós.

E hoje, se me perguntarem quem é o amor da minha vida, eu direi que é ele. Sem maiores delongas ou explicações. Eu só o amo. Para sempre.

2 comentários:

  1. "E hoje, se me perguntarem quem é o amor da minha vida, eu direi que é ele."
    Ai que texto mais lindo, calmo, sereno e apaixonante ♥
    Amor é uma coisa meio louca né? A gente acha que o conhece muito bem, até que ele aparece de verdade e entendemos o quão diferente do que imaginávamos ele é. Felicidades ao teu amor.

    http://denovomaisumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felicidades a todos os amores verdadeiros - essa coisa louca que arrebata a gente! ♥

      Volte sempre, Gabriela!

      Excluir

Diz o que achou :)