sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Só um frio na barriga?



an.si.e.da.de: 1. Comoção aflitiva do espírito que receia que uma coisa suceda ou não.
2. Sofrimento de quem espera o que é certo vir; impaciência.

Há dois anos eu escrevi um texto curioso aqui - me deparei com ele hoje enquanto lia algumas coisas antigas. Com o título de “Sintomas”, eu tentei descrever em alguns parágrafos todas as sensações que me acometem quando estou nervosa.

O coração apertado, as pontas dos dedos geladas, o nó na garganta, o suor gelado e as pernas bambas. Sintomas que, a primeira vista, parecem aqueles que a gente sente quando está apaixonado. Mas, definitivamente, é diferente.

Há dois anos eu ainda não sabia que sofria com ansiedade generalizada. Como todos esses sintomas parecem comuns, eu apenas achava que era sensível demais.

O problema é que eles ficaram cada vez mais comuns e mais fortes. Eu ficava nervosa com tudo, e depois das crises, me sentia culpada por não conseguir me controlar.

Costumava faltar no trabalho e na aula porque a ansiedade ocupava todas as minhas atenções. Dormia mal e me sentia muito triste sempre.

A ansiedade era alimentada por uma série de situações difíceis pelas quais eu passava na época. Simplesmente não conseguia mais lidar com nada de cabeça fria.

Quando os sintomas chegaram ao auge, veio a depressão. Eu me sentia tão culpada por não conseguir me controlar, que minha autoestima foi lá embaixo. Eu me sentia incapaz, fraca e feia.

A ansiedade acabou com meu sistema imunológico, e eu estava frequentemente doente – e muito mais magra.

Ao mesmo tempo, descobri que tinha dermatite atópica: um tipo de dermatite que ataca quando fico suscetível a alguma alergia ou stress. Meus braços viviam machucados por isso.

Minha família já estava cansada de me ver daquele jeito e tínhamos um relacionamento péssimo.

Quando achei que não estava mais dando conta, procurei um psicólogo. Foi aí que descobri que sofria o que muitos chamam de “mal do século”. No começo, fazia terapia duas vezes por semana. Somente assim eu pude descobrir o que me fazia mal.

Hoje, depois de dois anos, me sinto melhor. Já sei lidar melhor com o que me deixa ansiosa, e antes de deixar a ansiedade chegar a níveis altos, consigo identificar o que está acontecendo e controlar os sintomas.

Aprendi na terapia que ansiedade é diferente de expectativa. A expectativa é algo que nos faz bem e nos motiva, enquanto a ansiedade suga as nossas energias. Se não controlada, algo que parece tão comum pode fazer sua vida parar.

A ansiedade anda de mãos dadas com muitos outros males. Eu fiz e pensei coisas horríveis quando estava depressiva. Eu quase perdi amigos, e, principalmente, quase me perdi.

A terapia me ajudou a expulsar da minha vida as coisas e pessoas que me fazem mal, e a lidar com o que é inevitável.

Eu sei que o batimento cardíaco acelerado e as pernas bambas são sensações rotineiras. A ansiedade também é. Quando isso acontece uma ou duas vezes, ou esporadicamente, a gente consegue lidar. A ansiedade deixa de ser normal quando começa a atrapalhar a vida de alguém.

Vale a pena ficar de olho. Aquele friozinho na barriga deve ser gostoso, e nunca agonizante. Se ele for uma tortura, não deixe de procurar ajuda. 

Quer saber mais? Os links abaixo podem ajudar:

8 comentários:

  1. meuuu Deus! não pensei que eu encontraria no mundo, alguém com os mesmos sintomas, problemas, e pensamentos que eu. é foda !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bianca, muitas pessoas sofrem desse mal. Se a ansiedade está te fazendo sofrer, busque ajuda. Estou aqui para o que precisar!

      Excluir
  2. Ola bom dia, eu sofro disso alguns anos... medicamentos e psicólogo e nada.... cada vez pior e pior, Estou a chegar ao ponto em que se refere : " quase me perdi"
    Tou farta de tudo isto, por mais que tente acreditar e lutar que vou melhorar so pioro de dia para dia,,,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandra, com o tempo aprendi que o mais importante não é controlar os sintomas, mas as causas dele.
      Quando você descobre os motivos, situações e pessoas que te fazem mal, você consegue controlar as coisas melhor. Eu aprendi a reconhecer sensações e comportamentos que me faziam mal e ligar o sinal de alerta assim que eles apareciam, já me controlando e não caindo nas armadilhas da minha mente.
      Você vai melhorar, Alexandra. Esse não é o fim da linha. Precisamos aprender a retomar o controle sobre o nosso psicológico.
      Continue contando com a ajuda de profissionais e de seus amigos e familiares.
      Se quiser, podemos conversar mais sobre isso. Meu e-mail é o barbara.liborio@gmail.com. Se quiser bater um papo, estou aqui! Apenas não desista! Pense nas pessoas que superaram esse mal e lembre que você também é capaz!

      Excluir
  3. Olá. Muito bom seu texto. Pena que, apesar de identificar causas e já estar em terapia, não tenho conseguido superar esse mal em minha vida e, diante dos atuais problemas que venho passando, tudo parece desabar. Abraço pra vc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem sempre as coisas são fáceis. Algumas situações estimulam a ansiedade. Na minha pior época, tudo conspirava para que eu ficasse mal e eu não conseguia melhorar. Temos que ser fortes, mas sei que é difícil.
      De qualquer maneira, procure ajuda! Estou aqui se precisar!

      Excluir
  4. estou passando por tudo isso e não sei mais o que fazer..................a mais de 15 anos, tem dias que tenho esperanças, outros sinto ódio de mim, porque acho que não sou nada...que droga de pessoa sou eu????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eliene, não pense isso!
      Somos simplesmente humanos e temos nossas fraquezas. Eu também me sentia muito mal quando ficava ansiosa, porque me sentia impotente. Nos colocar para baixo só piora as coisas.
      Se aceitarmos nossas fraquezas, ficamos mais fortes para entende-las e lidar com elas. Dessa forma, a ansiedade não nos controla mais.
      A ajuda de um profissional é sempre importante para isso, e também temos que contar com pessoas que amamos.
      Se precisar de ajuda, não hesite em me procurar! Você é capaz de mudar isso, todos somos!

      Excluir

Diz o que achou :)