sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Salva-vidas

http://migre.me/hRwuj

"I wanna talk tonight, about how you saved my life..."
(Oasis - Talk Tonight)

Ele tem o sorriso mais bonito que eu já vi na vida. Parece clichê, mas é verdade. Ele sorri com os olhos, com a alma, com o corpo. Tem aquele sorriso largo, com os dentes perfeitos, sabe? Sorri como quem grita ao mundo o quanto está feliz.

Ele sempre está feliz. Não há problema que seja páreo. Minhas queixas, sempre tão chorosas, sequer o fazem cócegas. “Bobagem se deixar chatear por tão pouco”, ele repete.

E eu o olho e sinto meu coração quente, como quando me dei conta de que estava apaixonada por ele. Ele deita no meu colo, sorri, e é como se meu estômago se revirasse em uma montanha-russa. E todo mundo sabe que eu adoro montanha-russa.

Às vezes ele me irrita, é claro. Na verdade, ele me irrita na maioria das vezes. É que – graças a Deus - ele é muito diferente de mim, entende? Não combina com esse meu jeito hiperativo, perfeccionista, pessimista e irritado. Ele é meu ponto de paz.

E é nele que eu penso quando o motorista do carro passa na poça d’água ao lado e me deixa ensopada, quando meu chefe me pede para ficar até mais tarde no trabalho, quando eu perco o ônibus e chego atrasada na faculdade. “Bobagem se deixar chatear por tão pouco”, ele repete aqui na minha mente.

É porque ele mudou a minha vida. Não, mentira. Ele salvou a minha vida. Toda vez que as pessoas me perguntam porquê eu o amo tanto, esse é o meu primeiro pensamento.

Não que ele tenha se jogado na frente de um carro que estava prestes a me atropelar, ou que tenha me defendido de bandidos ou me poupado de um tombo perigoso. Ele me salvou de mim mesma.

Ele desceu – por conta própria e com muito cuidado – até o fundo do poço, me convenceu a segurar sua mão – porque vejam vem, eu sou um pouco teimosa – e me ajudou a voltar a superfície.

E ele não reclamou quando, durante o percurso, eu quis desistir e voltar para o escuro. Ele não me julgou quando eu tive medo, chorei ou entrei em pânico. Ele só sorriu – quem precisa de mais?

Talvez eu o tenha salvo também. Mas nunca como ele me salvou. Nunca como ele me impediu de permanecer para sempre na sombra, na dor. Ele salvou minha vida porque ele me fez sentir vontade de viver. Viver ao lado dele.

E essa vontade aumenta cada vez que, com o rosto colado no meu, ele abre os olhos. Meus olhos. Olhos castanho-claros, tão sinceros, tão ingênuos, tão puros... Meus.

E assim, mesmo que os desafios até aqui tenham sido muitos, eu permaneço com a certeza de que estamos no caminho certo. Um caminho que me enche de orgulho, porque não foi fácil, mas foi lindo. É lindo. E é nosso.

Ele salva minha vida todos os dias. Só é possível amá-lo.

6 comentários:

  1. Bárbara, Bárbara, Bárbara... Seus textos são incríveis! Eu me apaixono por cada um deles... Mas esse, esse, esse é perfeito! Ah ta, vou parar de repetir as palavras rsrs É só que você escreve fazendo com que quem estiver lendo sinta o mesmo que você e isso é incrível! Parabéns linda <3

    http://pluralissimo.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que gostoso ler seu comentário, Jaque! Muito, muito obrigada mesmo! Eu sempre fico feliz quando consigo compartilhar um pouco do meu sentimento com quem lê os textos do blog. Fico mesmo muito contente!

      Espero que você volte mais e mais vezes, linda! Muito obrigada! <3

      Excluir
  2. Cedo ou tarde encontramos alguém pra salvar nossa vida. Fico feliz que você tenha encontrado o seu salvador.

    Lindo texto

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Ariana!

      Tem razão. Precisamos mesmo achar quem nos salve de nós mesmos, não é? :')

      Excluir
  3. Parabéns amiga. Você consegue colocar lindos sentimentos em cada palavra que escreve :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amiga! Adoro espalhar bons sentimentos por aí! <3

      Excluir

Diz o que achou :)