quinta-feira, 27 de março de 2014

Viver de paixão

http://migre.me/iwLDU

"Do you see everything as an illusion?
But enjoy it even though you are not of it?"
(Alanis Morissette - 21 Things I Want In a Lover)

Ela queria viver de paixão. “Renova a pele”, ela me dizia. De vez em quando reclamava de saudades dos meus textos antigos. “Tá tudo muito bem, tudo muito ok. Cadê a emoção?”. Eu ria.

Ela me olhava com cara de desconfiada. Talvez, como eu, tenha se acostumado demais com a velha Bárbara prestes a explodir em choro ou felicidade a qualquer momento. Talvez ela tenha invejado meus dias felizes, mas sei que jamais se esqueceu dos tristes.

Dá uma sensação boa quando ela abre um sorriso para falar de paixão. Sinto até um frio na barriga, um arrepio percorrendo a espinha. Desejo aqui dentro que ela viva tudo isso que anseia: a adrenalina, a palpitação, a felicidade, o êxtase. Só sinto medo que ela sofra com a decepção.

Para querer se apaixonar, você tem que estar pronto para se decepcionar. Precisa ser maduro o suficiente para entender que o fogo que aquece também queima. E apaga, uma hora ou outra. Precisa manter a cabeça boa e a espinha ereta quando o sonho desmoronar.

Se eu soubesse me apaixonar, eu também viveria de paixão. Uma atrás da outra, sem dor, sem culpa, sem cicatriz. Mas eu não sei. Eu preciso de amor.

E amar, veja bem, também é complicado. Para começo de conversa, é preciso deixar o amor roubar o lugar da paixão. E só isso já é renúncia que baste.

O amor é maduro, é sublime, é elegante. Parece chato, eu sei, mas não é.

Amor é calmaria, paixão é tempestade. Quem aguenta viver no olho do furacão?

Ainda acho impagável fazer as pazes depois de uma briga homérica. Gosto do imprevisível, da emoção, dos momentos insanos. Acho que não conseguiria de jeito nenhum viver feliz sem isso – o que é ruim também vicia, afinal.

E é por isso que eu entendo quando vejo os olhos da minha amiga brilharem, apaixonados. E também é por isso que me preparo desde já caso ela precise de um colo macio para chorar.

Tristeza não tem fim. Paixão, sim. 

2 comentários:

  1. A paixão é uma fatalidade, o amor é uma escolha.
    A paixão é egoísta, o amor é generoso.
    A paixão é renúncia, o amor é recomeço.
    A paixão arrebenta, o amor adapta.
    A paixão é confinamento, o amor é abrigo.
    Não há paixão pequena, paixão simbólica, paixão discreta: é grandiosa no início e escandalosa no final.
    Não recomendo, muito menos desaconselho: é experiência para os fortes.
    Uma vez apaixonado, você rejuvenesce 10 anos em 10 horas. Mas, uma vez desapaixonado, você envelhece 10 anos em 10 horas.
    Não podemos nem dizer se a paixão ajuda ou atrapalha, ela acontece. É uma sorte azarada.

    Fabrício Carpinejar =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Não recomendo, muito menos desaconselho: é experiência para os fortes."

      Esse Carpinejar sabe bem o que tá falando, como sempre! <3

      Excluir

Diz o que achou :)