quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Eu te me enganei

http://migre.me/sdXdX


"Quantas chances desperdicei , quando o que eu mais queria
Era provar pra todo o mundo que eu não precisava
Provar nada para ninguém"
(Legião Urbana - Quase sem Querer)

Acho que eu te enganei. Não, mentira. Acho que eu me enganei. Não, melhor. Tentei me enganar e no meio do caminho acabei enganando você. Todos vocês. E no meio dessa série de enganos, já é hora de encarar as verdades.


Talvez eu não seja nem tão livre e nem tão perdida. Ou talvez ainda me custe lidar com tudo que vem com a liberdade e o desatino. Não ter um rumo certo ainda me incomoda. Não ter um porto seguro ainda me desconcerta. Evitar o encontro do olhar? Também.

Talvez eu não seja tão leve. Talvez eu ainda tenha sentimentos e comportamentos que pesam nos ombros: uma ansiedade infinita, um pessimismo constante, uma insegurança tremenda. Talvez me envolva. Faz parte, você sabe. 

Talvez eu não esteja tão feliz quanto eu deveria estar. Talvez ainda sinta falta do que deixei, não consiga me entregar ao que conquistei e ainda tenha, todas as noites, um sentimento de solidão que me baqueia.

Mas, veja bem, talvez eu também não esteja tão triste quanto esperavam que eu estivesse. A saudade ainda não me fez chorar, o frio do outono já me encanta e todos os dias, enquanto penso na sorte que tenho, traço planos que nem sempre incluem você(s).

É que não há nada nesse mundo que me canse mais do que encarar personagens - os que invento para mim e, principalmente, o que os outros me impõem. Eu não quero ser sua rota de fuga, eu não consigo ser a mulher perfeita, eu não posso mais ser a filha ideal e tampouco a amiga ou profissional que todo mundo espera que eu seja.

E quando eu voltar... (o coração aperta e as borboletas do estômago voam quando eu penso em "quando eu voltar")... talvez eu te decepcione. Porque de longe todo mundo é normal, mas de perto... De perto eu me desnudo

De perto eu posso virar minha vida (amorosa, profissional e espiritual) de cabeça para baixo, simplesmente porque eu não sou nem tão segura e nem tão decidida quanto eu aparento ser Posso não querer ser sua amiga. Posso querer ser mais que sua amiga. Posso sair de casa, mudar de emprego, trocar as roupas da mala e viajar de novo (dessa vez para um lugar mais quente, por favor)

De perto, eu ainda sou o mesmo furacão. A mesma montanha-russa. 

Sou livre. Estou perdida. Mas amanhã.... amanhã eu não sei mais. Amanhã, sou outra (melhor, te prometo).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diz o que achou :)